Conhecer um pouco mais sobre as tendências do desenvolvimento de softwares é essencial para manter a sua empresa atualizada com as dinâmicas do mercado. Estamos na Era da Informação, e isso requer uma postura ativa dos gestores de negócios. Diante disso, explorar as ferramentas RAD pode ser uma opção interessante na utilização efetiva das novas tecnologias. 

Design Thinking, Segurança na Nuvem e Strategic Foresight são exemplos de temas recorrentes que provocaram mudanças consideráveis nos modelos de negócios. Ficar por dentro dos podcasts sobre inovação e tecnologia é uma maneira se atualizar e identificar nichos pouco explorados no mercado. 

Tem interesse no assunto? Então, confira agora mais informações sobre as ferramentas RAD. Boa leitura!

O que são ferramentas RAD? 

Primeiro, precisamos entender o significado da sigla RAD. Trata-se do termo Rapid Application Development, que consiste em uma estratégia de engenharia de sistemas criada nos anos 1980 pelo programadores James Martin e Barry Boehm. A ideia era acelerar o tempo de desenvolvimento de aplicativos, softwares e programas de computador sem deixar de lado os requisitos definidos pelos usuários.

Essa abordagem veio em contraponto aos projetos de engenharia de software tradicionais, que não conseguiam gerir com eficiência as mudanças nas especificações.

As ferramentas RAD surgiram como uma forma de otimizar esses trabalhos. Por meio da prototipação rápida dos sistemas, conseguia-se analisar a viabilidade de continuar ou não as atividades dos times de desenvolvimento.

Como as ferramentas RAD funcionam?

O mote da filosofia RAD é a flexibilização. Com isso, é possível se adaptar rapidamente às mudanças exigidas pelos usuários durante o ciclo de desenvolvimento de um software. O ponto de partida é identificar os requisitos do sistema. Assim, os programadores, analistas, DBAs e testadores conseguem ter uma ideia do que será o produto final.

Não é preciso especificar detalhadamente cada requisito levantado com os usuários. O objetivo é ter uma visão geral do software sem desconsiderar a possibilidade de eventuais mudanças ou ajustes no decorrer do projeto. O processo RAD segue 4 fases iterativas e incrementais: 

  • planejamento dos requisitos;
  • design;
  • construção rápida;
  • implementação.

No planejamento dos requisitos, cria-se um plano para que o time de desenvolvimento tenha uma ideia inicial das tarefas do projeto. Na parte do design, define-se com mais precisão os requisitos levantados com as partes interessadas. Na construção rápida, cria-se um protótipo visual do sistema informatizado. 

Com isso, os usuários conseguem visualizar uma prévia do software. Por fim, na implementação, realiza-se o desenvolvimento dos códigos-fonte e das bases de dados da aplicação. Veja agora os diferenciais das ferramentas RAD.

Desenvolvimento rápido das aplicações

Por meio das técnicas de prototipagem, consegue-se desenhar rascunhos da interface do sistema. Assim, os usuários se familiarizam aos poucos com o software e já podem propor as mudanças que julgarem convenientes. Desse modo, pode-se realizar os ajustes nos códigos-fonte e bases de dados. Essa comunicação pode reduzir bastante o tempo de desenvolvimento de uma aplicação.

Ciclos de desenvolvimento curtos

Os projetos com as ferramentas RAD devem durar, no máximo, 90 dias. A ideia é evitar ciclos de desenvolvimento muito longos, pois isso pode ser bem desgastante para os times de TI e usuários. Com isso, cria-se um engajamento maior entre os interessados para a entrega rápida de cada parte da solução de TI. Nesse aspecto, os testes de software são essenciais para identificar erros e pontos de melhoria.

Reutilização de componentes

O desenvolvimento RAD preconiza a reutilização dos componentes de um software. O objetivo é criar partes do sistema que sirvam de modelo para outros programas. Dessa forma, o trabalho dos programadores consistirá em juntar todos esses módulos em uma aplicação nova e integrá-los às bases de dados. 

Com isso, consegue-se também reduzir o tempo dos ciclos do projeto. Nesse caso, conhecer um pouco mais sobre microsserviços e gerenciamento de APIs pode ajudar bastante. 

Engajamento com os usuários

Os processos do RAD permitem desenhar as várias partes do sistema. Assim, os usuários conseguem visualizar como será o produto final antecipadamente. Esse rascunho da interface faz com que as partes interessadas se comuniquem mais com os times de desenvolvimento, gerando um maior engajamento no projeto e um alinhamento das expectativas. Conheça agora as 3 principais ferramentas RAD.

1. Scriptcase

Trata-se de um gerador de códigos na linguagem PHP que aumenta bastante a produtividade no desenvolvimento das aplicações. Consegue-se criar rapidamente sistemas completos, configurar os drivers com as bases de dados e gerar relatórios personalizados para os tomadores de decisão. Nesse caso, conhecer um pouco mais sobre apps responsivos pode ser uma boa ideia.

2. Dataflex

Uma ferramenta RAD intuitiva e de fácil utilização. Trata-se um ambiente de desenvolvimento para linguagens de programação orientadas a objetos. 

Por meio do Dataflex, consegue-se criar sistemas web e desktop e configurar os acessos aos bancos de dados. Utiliza-se a arquitetura em três camadas MVC (Modelo, Visão e Controle). Isso facilita bastante o trabalho dos desenvolvedores e as manutenções periódicas na aplicação.

3. WaveMaker

O WaveMaker é uma ferramenta RAD com uma interface visual drag-and-drop. O código-fonte é aberto e permite o desenvolvimento de sistemas informatizados RIA (Rich Internet Applications) no Unix, MacOS e Windows. A ideia é reduzir a complexidade de construir uma aplicação. Para tanto, cria-se automaticamente o DataWindow e as fontes correspondentes. Por meio da IDE Web 2.0, consegue-se rodar os softwares em qualquer navegador.

Enfim, essas são as principais informações que você precisa saber sobre as ferramentas RAD. Percebe-se que o desenvolvimento de sistemas informatizados tem um escopo bem maior do que simples atividades técnicas de programação. 

Existe todo um trabalho de alinhamento de objetivos e engajamento das partes interessadas. Com isso, explorar um pouco mais temas como chatbots, economia de recorrência e experiência do usuário pode ser interessante, afinal, essas são inovações nos negócios por meio da tecnologia.

Muito bem, agora você já conhece mais detalhes, diferenciais e particularidades das ferramentas RAD. Se gostou do artigo, o que acha de entrar em contato conosco e ver como podemos ajudar no desenvolvimento de soluções de TI para a sua empresa? O seu feedback é muito importante para nós.

Categorias: Tecnologia

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *