Uma das grandes tendências no mundo inovador de desenvolvimento de software é a utilização de ferramentas low-code (código baixo, em tradução livre) para programação.

As ferramentas low-code são baseadas no modelo de drag and drop (arrastar e soltar), que proporciona mais agilidade no momento de desenvolver um projeto.

“O tempo investido pelos times de TI para criar software e aplicativos é quase 50% menor se comparado com metodologias tradicionais. O backlog das áreas de TI diminui drasticamente [com o avanço das plataformas low-code] e aumenta a satisfação das áreas envolvidas. Por outro lado, o engajamento das equipes é muito elevado porque são utilizadas metodologias ágeis”. Cláudio Castillo, especialista em tecnologias low-code

Neste artigo, listamos e comparamos 6 plataformas disponíveis no mercado. Continue a leitura!

Índice

Plataforma Low-Code: entenda o conceito

Até recentemente, os desenvolvedores precisavam usar a lógica de programação de forma manual, com grande demanda de conhecimento técnico. Deste modo, não era possível criar um sistema sem conhecer linguagens de programação como Java, Python, C# etc.

Contudo, este cenário se transformou com o surgimento das plataformas low-code, que permitem mais agilidade e simplicidade no desenvolvimento de softwares. A programação pode ser realizada com o mínimo possível de códigos envolvidos e de forma muito mais visual.

“Estudos mostram que no mercado americano, em 2016, eram investidos 3,2 bilhões de dólares [na tecnologia low-code] e que, para 2022, este valor será de 27,2 bilhões de dólares, compondo um crescimento anual de 44,5% . Os mercados brasileiro e latino-americano certamente acompanharão esta tendência”, afirma o consultor do Cronapp, Claudio Castillo.

De acordo com dados publicados por consultorias como ItForum e Gartner, até 2024, mais de 65% das aplicações serão low-code. Haverá um crescimento médio de 40% ao ano.

Como surgiu o low-code?

Pode-se considerar que o low-code surgiu em virtude de dois fatores: permitir a criação de aplicativos em pouco tempo e tornar o processo mais democrático. Profissionais experientes em programação podem se beneficiar bastante das plataformas de código baixo, assim como os colaboradores de fora da TI passam a ter mais autonomia, criando aplicativos internos para resolver demandas do cotidiano.

O low-code surgiu em 2014, trazendo também facilidades em termos de integração com bancos de dados. Além disso, a intenção era proporcionar interfaces de uso com base em Graphic User Interface, ou GUI. Em resumo, ainda que seja preciso conhecer um pouco da linguagem de programação empregada, as equipes de TI podem ter menos sobrecarga relacionada com a demanda de aplicativos empresariais.

Por que vale a pena usar ferramentas low-code?

Quanto mais ágil for o desenvolvimento de aplicativos comerciais ou internos, maior será o nível de transformação digital do negócio. No momento que isso ocorre, a empresa passa a se tornar um player renomado no mercado, em virtude não só de práticas baseadas no uso de tecnologia, mas também em estratégias focadas em atender às necessidades dos clientes. Dito isso, o low-code proporciona diversos benefícios, a destacar:

  • economia de tempo, o que acarreta também redução de custos;
  • maior rapidez no tempo de lançamento do aplicativo;
  • resolução de gargalos operacionais;
  • maior produtividade do time;
  • flexibilidade, pois permite a remoção de peças antigas e a inserção de novas na aplicação, dada a característica modular da plataforma.

Quais recursos uma plataforma low-code deve ter?

Existem no mercado várias plataformas low-code, desde as simples até as mais complexas. No entanto, vale destacar algumas características comuns a elas, que são:

  • segurança;
  • escalabilidade na medida do possível, pois dependendo do escopo do projeto, é preferível desenvolvê-lo usando high-code;
  • recurso de arrastar e soltar, permitindo a criação de aplicativos que exigem pouco conhecimento em linguagens de programação;
  • modelagem visual, proporcionando uma visão do aplicativo antes de ser lançado.

Conheça 6 ferramentas low-code

1. Cronapp

 Plataforma 100% brasileira que possibilita o desenvolvimento em nuvem e não requer um computador de alto desempenho para programar.

Também é possível escolher um ambiente de desenvolvimento on-premise. Neste caso, a ferramenta é instalada diretamente nas máquinas da empresa que contrata o serviço.

O Cronapp apresenta blocos de programação pré-configurados, que permitem a criação de aplicativos e sistemas com os modos de desenvolvimento low-code e high-code. Tem templates personalizáveis, modelagem visual e geração automática de código, que aceleram o desenvolvimento.

No modo high-code, é possível escolher com quais linguagens programar, dentre as disponíveis: Java, Python, Node, entre outras. No modo low-code, o profissional conta com uma interface visual, baseada no desenvolvimento em bloco.

A ideia é que, em vez de focar na lógica de programação ao criar um projeto, você possa se concentrar no negócio.

A construção de apps para mobile também é facilitada, já que a ferramenta tem um ambiente completo para o desenvolvimento mobile, com simulação em diferentes dispositivos.

Outras vantagens:

  • melhoria contínua da gestão e do controle de métodos;
  • transparência em todas as etapas da atividade;
  • maior controle administrativo;
  • aumento de produtividade;
  • redução de custos;
  • automação de processos;
  • geração de evidências.

2. OutSystems

A plataforma OutSystems foi criada para ajudar o programador a criar aplicativos com mais rapidez e realizar alterações de forma fácil. Os aplicativos mobile são gerados para IOS e Android (código nativo).

Com a interface do usuário de arrastar e soltar, é possível construir telas, fluxos lógicos, conexão com banco e consumir serviços REST/SOAP e SAP.

A ferramenta é aberta, baseada em padrões e também tem a implantação de clique único, em que o usuário entrega o aplicativo e o atualiza com um clique.

3. Mendix

A plataforma Mendix é baseada no desenvolvimento de software orientado a modelos. Voltada ao desenvolvimento low-code, a ferramenta permite que a programação seja feita de forma intuitiva e com a colaboração integrada.

Os aplicativos são multicanais, ou seja, o programador os cria uma vez e executa em qualquer lugar, sem a necessidade de ferramentas e bases de código. A arquitetura é nativa em nuvem e o tempo de entrega também é valorizado.

Comparativo entre ferramentas Low-Code

4. Appian

O Appian atende empresas pequenas, médias e grandes. É focado na automação de processos de negócios usando low-code, além de ser uma solução em nuvem e contar com gerenciamento unificado de dados. É usado pelos grandes players do mercado corporativo global.

5. Zoho Creator

Assim como o Appian, o Zoho Creator é uma solução low-code baseada em nuvem. Permite a criação de aplicativos para dispositivos móveis, agilizando bastante o desenvolvimento e lançamento da aplicação. Formulários personalizados, páginas informativas e fluxos de trabalho são apenas alguns exemplos da infinidade de possibilidades que o Zoho Creator propicia ao negócio.

6. WordPress

Quem não conhece o WordPress, não é mesmo? Trata-se de um dos gerenciadores de conteúdo mais conhecidos do mercado, facilitando a criação de páginas web, como blogs e sites. Com ele é possível fazer diversas configurações em nível de front-end e back-end, em especial por meio dos muitos plugins nativos da plataforma e outros que são criados pela comunidade de desenvolvedores.

Ferramentas Low-Code: Desenvolva com o Cronapp!

O Cronapp fornece uma arquitetura MVC, RESTful, com suporte a internacionalização e sensível a fusos horários. A plataforma apresenta também um chat nativo, para que o usuário possa interagir com outras pessoas e a nossa equipe.

“Além da vantagem da velocidade e a metodologia agile, os times de TI encontram uma plataforma que vai além do low-code, disponibilizando uma IDE de desenvolvimento que aproveita os diversos perfis existentes nas equipes de TI, sem aprisionamento tecnológico (lock-in), com atendimento em português e que foi criada para focar no negócio, dando liberdade para atender, por meio da tecnologia, todas as necessidades indispensáveis para o crescimento das empresas”, finaliza Cláudio Castillo.

Para usufruir das ferramentas low-code da Cronapp, reforçamos que não é preciso ter máquinas de última geração. Como a solução é baseada em nuvem, é necessário somente ter um navegador instalado no computador, para que se tenha acesso às suas muitas funcionalidades. Portanto, se a sua empresa deseja agilidade na criação de aplicativos e menos custos, a Cronapp é a solução ideal!

Entre em contato com nossos especialistas! Estamos esperando o seu contato para te dar mais informações sobre os impactos que a Cronapp pode proporcionar ao seu negócio!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.