A melhor forma de demonstrar o conceito de persistência de dados é por meio de um exemplo. Imagine um usuário criando um cadastro em um site, no qual são inseridas todas as informações pessoais. Enquanto ele não clicar no botão “Salvar”, esses dados não estão armazenados no banco de dados da aplicação. Portanto, eles serão perdidos se o navegador fechar.

Isso acontece porque, nesse momento, os dados estão apenas na memória do navegador. Já ao clicar na opção para salvar o registro, eles serão gravados fisicamente no banco de dados, ou seja, em um meio não volátil. Com isso, essas informações podem ser recuperadas em qualquer navegador, pois elas são persistentes.

A seguir, mostramos o que significa esse conceito, bem como o que é preciso para garantir que ele seja aplicado da maneira adequada. Continue a leitura para saber mais!

Entenda o que é persistência de dados

A persistência dos dados tem o objetivo de garantir que as informações serão armazenadas em um meio em que possam ser recuperadas de forma consistente. Ou seja, são registros permanentes e que não são perdidos quando há o encerramento da sessão.

Um bom exemplo é o cadastro de um usuário em uma loja virtual e o carrinho de compras. Enquanto os dados do cliente são persistentes, ou seja, mesmo que haja o acesso em outro navegador ou dispositivo, eles estarão presentes da mesma maneira, o mesmo não ocorre com o carrinho de compras, salvo se a aplicação fizer o tratamento para garantir a persistência.

Basicamente, as informações são armazenadas em bancos de dados, embora possam ser gravadas em arquivos ou em outros locais. No momento em que elas são manipuladas pelo usuário, estão em formato volátil, ou seja, estão disponíveis em memória. Portanto, após serem editadas, devem ser armazenadas de forma não volátil novamente para garantir a persistência.

Na prática, existe um processo de recuperação das informações em um banco de dados. Após a manipulação, deve haver outro procedimento que grave o registro alterado no local original.

Powered by Rock Convert

Saiba quais os benefícios de garantir dados persistentes

Os dados persistentes são muito importantes para as empresas, pois garantem que as informações armazenadas no sistema sejam completas, atuais e possam ser acessadas sempre que for necessário. Dessa forma, esses registros podem ser utilizados para a tomada de decisões da empresa, o que permite atender às necessidades do negócio de forma ágil e segura.

Além disso, há a segurança de que eles não são acessados por pessoas não autorizadas, pois existe um procedimento de acesso ao banco de dados. Portanto, a garantia de que processos externos não têm a capacidade de manipular essas informações existe.

Conheça os principais bancos de dados persistentes e as técnicas utilizadas

Como a persistência requer a gravação das informações em um meio não volátil, é preciso armazená-las em um Sistema Gerenciador de Banco de Dados — SGBD. Esse armazenamento pode ser feito por meio de comandos SQL, que permitem a manipulação dos registros. Vale ressaltar que existem diferentes modelos de bancos de dados no mercado, entre eles:

  • Oracle;
  • MySql;
  • MariaDB;
  • SQL Server.

Outra forma de fazer a persistência dos dados é por meio de frameworks específicos, desenvolvidos para facilitar o processo de manipulação dos registros no banco de dados.

Essas ferramentas garantem mais produtividade no desenvolvimento de aplicações, pois evitam a necessidade de reescrever enormes quantidades de comandos para a manipulação dos registros. Existem diferentes frameworks que podem ser usados de acordo com a linguagem de programação e banco de dados utilizados. Alguns dos modelos disponíveis no mercado são:

  • Hibernate: utilizado para o mapeamento objeto-relacional em aplicações JAVA, além de oferecer uma versão para .NET, o NHibernate;
  • Entity Framework: usado com o .NET.

Como vimos, a persistência de dados é um processo necessário para garantir que as informações em uma aplicação sejam armazenadas para serem utilizadas em outros momentos. Existem diversas ferramentas no mercado que facilitam esse processo, como Hibernate e Entity Framework.

Gostou do nosso conteúdo? Então, confira neste artigo como garantir uma alta produtividade no desenvolvimento de software!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *