metodologias ágeisPowered by Rock Convert

O consumidor 5.0 — ou seja, o atual — é ainda mais impaciente, exigente e consciente de seus direitos e poder com relação às marcas do que o anterior. Assim, garantir a qualidade de software e ficar atento para os critérios que diretamente influenciam isso é indispensável para entregar sempre bons produtos a ele.

Caso contrário, de modo geral, o cliente dificilmente vai pensar duas vezes antes de trocar sua marca por outra que preencha as lacunas necessárias para uma maior satisfação. Além disso, softwares de qualidade duvidosa podem acarretar prejuízos financeiros para as corporações.

Conseguiu perceber a importância de garantir a qualidade de software? Então, continue a leitura e saiba quais são os critérios a serem considerados para atingir esse objetivo!

O que é a qualidade do software?

Primeiramente, é preciso definir o conceito de qualidade do software, a qual se refere ao conjunto de características que um produto precisa atender para corresponder ao nível de satisfação desejado pelos clientes. Isso depende das operações realizadas no processo de desenvolvimento, além de garantir que ele ofereça o que foi prometido inicialmente.

Quer dizer, definir a qualidade do software é algo complexo e que varia de acordo com uma série de fatores, como as necessidades e desejos dos usuários, o que foi acordado a princípio etc.

Por que é importante considerar a qualidade de software?

Conforme mencionado, o consumidor atual é ainda mais exigente do que os perfis traçados anteriormente. Isso significa que desagradá-lo pode custar caro em diferentes aspectos, o que inclui a perda de um consumidor para a concorrência — possibilidade facilitada pelo processo de globalização e consequentemente pela intensificação da concorrência.

Mas, além disso, existem outras razões para considerar a qualidade do software importante. Por exemplo:

  • contribui para um melhor custo/benefício – softwares de qualidade aumentam a produtividade e reduzem os custos e as chances de falhas;
  • aumenta os lucros e retém consumidores – softwares de qualidade satisfazem os consumidores e contribuem para a fidelização e o aumento do volume de vendas;
  • ajuda no mercado internacional – o mercado de softwares está em alta, logo garantir a qualidade nesse processo aumenta as chances de uma corporação ser bem-vista internacionalmente.

Quais os desafios de garantir a qualidade de um software?

Percebeu a importância de garantir a qualidade de softwares? Apesar dos inúmeros benefícios que essa ação pode trazer, muitas corporações negligenciam as etapas fundamentais para o sucesso no procedimento, como o cumprimento de padrões e normas. Isso ocorre porque, entre os principais desafios na garantia da qualidade de um software, temos:

  • desalinhamento entre os profissionais da área quanto à definição de qualidade de software;
  • falta de maturidade da engenharia de software para uma evolução constante;
  • complexidade envolvida no desenvolvimento de softwares;
  • inexistência de uma produção em série de softwares para melhor avaliação, entre outros.

Quais critérios avaliar na qualidade de um software?

Apesar dos desafios listados, existem alguns critérios que impactam diretamente na qualidade de software e devem ser considerados para alcançar melhores resultados e satisfação para os consumidores.

1. Usabilidade

O software é fácil de ser utilizado? Pessoas que não entendem tanto do assunto podem aprender como usá-lo com facilidade? Se ambas as perguntas tiverem respostas positivas, saiba que esse é um dos principais critérios para mensurar a qualidade de um software.

Powered by Rock Convert

Afinal, a usabilidade permite que os usuários consigam testar as funcionalidades existentes e dispensem a intervenção de terceiros para o manuseio da plataforma. Dentro desse contexto, existem normas e padrões relacionados à usabilidade que precisam ser seguidos de modo a evitar entregas baixas de usabilidade. É o caso das normas nacionais e internacionais:

  • ISO 9126;
  • ISO 12119;
  • ISO 12207;
  • CMMI;
  • NBR ISO 10011.

2. Manutenibilidade

Da mesma maneira que o software precisa ser de uso descomplicado, a alteração da plataforma precisa ser fácil, para que ele receba interferências que otimizem suas funcionalidades, corrigindo e adaptando de acordo com as necessidades à medida que os usuários sinalizam isso.

Assim, é preciso que o desenvolvimento do software tenha um código de fácil entendimento por parte da equipe responsável pela aplicação, a fim de que falhas sejam encontradas sem dificuldades, existam poucos riscos de bugs ao fazer alterações, os defeitos possam ser modificados tranquilamente etc.

Desse modo, em caso de feedbacks negativos, por exemplo, os profissionais podem realizar o diagnóstico e solucionar possíveis deficiências de modo prático, elevando a qualidade do software.

3. Eficiência

A eficiência diz respeito à capacidade de um software ter um alto rendimento com o mínimo de erros e de forma ágil, para que os usuários não se frustrem. Logo, preencher esse requisito é outro ponto fundamental para medir a qualidade do software, o que também precisa levar em consideração normas nacionais e internacionais.

Além disso, tenha em mente que a eficiência varia de acordo com uma série de fatores não somente internos, os quais estão relacionados ao desenvolvimento do software, mas também externos, como a memória disponível no dispositivo, a velocidade de processamento do dispositivo, o desempenho do disco rígido etc.

4. Portabilidade

Um software precisa ser de fácil adaptação nas diferentes plataformas em que for utilizado para que os consumidores tenham uma melhor experiência. Para isso, é necessário que haja uma solução para diferentes plataformas e objetivos em que o software pode ser operado, sem a necessidade de demais ações ou meios para que ele funcione adequadamente ou tenha suas funcionalidades minimizadas.

5. Confiabilidade

Um software de qualidade precisa garantir seu bom desempenho a longo prazo, sendo capaz de recuperar dados facilmente caso ocorra algum erro e tendo uma baixa frequência de apresentação de falhas. Tudo isso sinaliza a confiabilidade do software, o que é indispensável para uma solução tecnológica ser bem-vista pelos usuários.

Afinal, por mais que defeitos ocorram em qualquer tipo de software, até nos mais famosos e queridinhos, é preciso que a equipe de desenvolvimento da plataforma se dedique constantemente para evitar esse tipo de situação.

Outros critérios fundamentais ao avaliar a qualidade de software são a funcionalidade, a profundidade e o alcance. Seja como for, ficar de olho nesses requisitos e procurar evoluções constantes é um passo essencial para alcançar o sucesso e a satisfação nesse tipo de desenvolvimento.

O que achou do artigo? Gostou? Teve dúvidas? Compartilhe conosco e com os demais leitores um comentário. Vamos trocar conhecimentos!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *