Ultimamente, observamos em diversas ocasiões o quanto a transformação digital tem evoluído. Já tínhamos conhecimento de novas tecnologias emergentes; porém, a pandemia causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) fez com que houvesse uma reinvenção digital em diversos setores, como: público, de serviços financeiros, da saúde, do agronegócio e do varejo. Nos concentraremos em cada um deles a seguir!

Com a necessidade de isolamento social, todos precisaram reinventar seu funcionamento e se adaptar às novas circunstâncias.

Continue a leitura para saber mais!

Setor público

Geralmente atrelado a processos burocráticos, o setor público deparou-se com a necessidade – de forma instantânea – de se reinventar frente nos últimos meses.

A transparência e eficiência na prestação dos serviços aos cidadãos devem ser pilares-chave em sua atuação. Porém, sem o uso da inovação tecnológica, os processos tinham sua execução realizada de forma manual e demandavam a participação de vários profissionais de departamentos diversos, burocratizando e atrasando a entrega de resultados.

Com a evolução da pandemia causada pelo Covid-19, a adoção do home office ocorreu de forma inevitável e, desta forma, acentuou a necessidade da evolução da transformação digital no setor público.

Neste caso, a inovação digital não se resume apenas ao uso de tecnologias que permitem o trabalho home office, como plataformas de streaming, por exemplo.

A automatização é um meio para que ocorra a remodelação na execução dos processos, visando, com esta prática, trazer benefícios desde para o servidor até o cidadão.

Entre as já conhecidas vantagens da transformação digital, podemos citar:

  • Otimização das atividades com consequente redução de tempo;
  • Desburocratização de serviços;
  • Economia de recursos, incluindo recursos humanos;
  • Possibilidade de melhoria contínua na execução das atividades, através de mensuração e visualização de resultados concretos.

Para que a adoção da transformação digital no setor público ocorra de maneira eficaz, é necessário estar atento a quatro pontos essenciais:

Realização de uma análise de processos

É preciso conhecer o fluxo de atividades do órgão público. Assim, é possível identificar possíveis falhas e gargalos existentes e promover as melhorias necessárias, utilizando soluções tecnológicas, como ferramentas de desenvolvimento de software, que atendem de forma mais ágil às demandas do setor.

Definição de estratégia

Todo o processo de reinvenção e reestruturação deve ser guiado por uma estratégia bem definida. A pergunta a ser feita é: Qual é o resultado que o gestor pretende alcançar, adotando novas possibilidades tecnológicas?

Estruturação dos processo

O setor jurídico, por exemplo, já conta com a tecnologia a favor das tramitações, com a utilização dos processos eletrônicos e plataformas que integram as comarcas. O uso das novas tecnologias de forma paralela à atividade analógica é uma alternativa para que haja uma melhor percepção das necessidades de melhorias. A partir desta percepção e maior conhecimento da era digital, pode-se avançar para a implementação de Inteligência Artificial e demais plataformas de automação.

Capacitação

Em conjunto com o ponto acima, não podemos deixar de citar a capacitação. Muitos servidores estão há muitos anos no cargo e ainda não se sentem aptos à transformação digital. É importante que haja capacitações, a fim de promover a familiaridade com a era tecnológica em suas atividades cotidianas para evitar erros futuros.

Serviços Financeiros

A evolução da internet, cujos primórdios remontam da década de 1960, ocorreu em meados de 1990, com a criação do browser (ou navegador) pelo cientista, físico e professor britânico Tim Berners-Lee.

Após esse “boom” da internet, começou oficialmente uma transformação digital, que chegou ao setor financeiro. A possibilidade de realizar consultas e transações através da internet, inicialmente, gerou desconfianças e insegurança dos usuários, quanto à segurança dos dados.

Porém, na medida em que a internet evoluía e a inovação se consolidava cada vez mais, o setor financeiro também adaptou-se às mudanças, promovendo maior segurança aos usuários de internet banking.

O século 21 trouxe grandes transformações digitais, incluindo a Inteligência Artificial. As movimentações financeiras através de canais digitais cresceram de aproximadamente 4,4 bilhões de transações, em 2016, para 5,3 bilhões, em 2017. O número de saques em bancos físicos e caixas eletrônicos também sofreu expressiva queda, de aproximadamente 40 bilhões.

A inovação digital no setor financeiro é uma grande porta para a desburocratização. Desta forma, o surgimento de start-ups financeiras, as chamadas fintechs, trazem à tona a reinvenção tecnológica.

As instituições financeiras têm incorporado em seus processos tecnologias como a Inteligência Artificial, além de adotar soluções como o Data Analytics. Desta forma, elas promovem melhorias na interação com o cliente, maior consolidação na relação de confiança e fidelização.

Powered by Rock Convert

A pandemia de Covid-19 reforça a importância da reinvenção digital no setor financeiro.

Leia também: Management 3.0: O que é, como funciona e como adotá-la na empresa?

Digitalização na saúde

A área da saúde é outro setor que se beneficiou com a transformação digital. A medicina tradicional foi impactada positivamente, com a implementação de novas tecnologias, como Big Data, Health Analytics e soluções que proporcionam uma melhor gestão da saúde e seus recursos.

Com a disseminação do novo coronavírus, o acompanhamento dos pacientes que, antes da pandemia seria realizado no consultório, agora é feito através da telemedicina (prática aprovada temporariamente).

Além dos equipamentos de ponta no departamento de diagnósticos e até mesmo em centros cirúrgicos, a inovação digital na saúde alcançou outras áreas, inclusive, fortalecendo a humanização na assistência ao paciente.

Como apontamos, as instituições de saúde utilizam a tecnologia através de soluções que possibilitam a melhoria dos processos e otimização dos recursos. Entre as vantagens, estão incluídas:

  • Organização no fluxo de atendimentos;
  • Otimização de recursos, incluindo recursos humanos;
  • Economia;
  • Realização de Classificação de Risco do paciente de forma mais assertiva e ágil;
  • Gestão de leitos, insumos e equipamentos;
  • Garantia de assistência integral e humanizada ao paciente, com a unificação dos dados em plataformas que dispõem do Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP).

Leia também: Desenvolvimento de software : Tendências do momento e do futuro

Agronegócio

A perspectiva de crescimento populacional, que aponta o montante de nove bilhões de pessoas até 2050, é um dos grandes desafios enfrentados pelo setor do agronegócio. Com a crescente demanda, o desafio é garantir que a produção de alimentos consiga atendê-la.

Com a transformação digital, surgem ferramentas que proporcionam gestão agrofinanceira e de aplicação de técnicas de agricultura, que permitem a realização de um melhor mapeamento de terras e aproveitamento de insumos, por exemplo.

Outras ferramentas ligadas ao monitoramento e gestão de lavouras também facilitam a inserção de agricultores na era digital.

A otimização de recursos naturais traz resultados mensuráveis e positivos ao setor. A utilização de técnicas como Big Data, cruzamento de informações e IoT possibilita ao agricultor obter uma perspectiva mais assertiva acerca da sua produção.

Entre as principais tendências de transformação digital no agronegócio, podemos citar:

  • Instalação de sensores no campo: permite obtenção de informações sobre a plantação, condições do solo, coleta de dados de forma ágil e realizações de tarefas a distância.
  • Utilização de drones na captação de imagens áreas: permite o acompanhamento da lavoura em relação ao surgimento de pragas, doenças ou quaisquer outros problemas;
  • Utilização de ferramentas de gestão: possibilita uma melhor gestão das operações que são inseridas no processo, auxilia na coleta de dados e no cruzamentos de informações. Desta forma, faz com que o agricultor tome decisões mais assertivas.
  • Agricultura vertical: é uma técnica voltada à agricultura interior aliada à tecnologia com o controle ambiental, em que todos os setores precisam ser monitorados. Normalmente, fazem parte destas instalações o controle artificial da luminosidade, umidade, temperatura, gases, entre outros.

Varejo

A transformação digital no setor de varejo já tem seu espaço definido há algum tempo. As compras realizadas por e-commerce antes eram uma boa opção para quem preferia receber os produtos sem precisar sair de casa e enfrentar filas.

Porém, a pandemia de Covid-19 reforçou a necessidade da reinvenção digital em muitas empresas que, agora, dependem exclusivamente da tecnologia para continuar suas operações.

Segundo dados apontados pelo relatório do Compre & Confie, o e-commerce brasileiro faturou R$ 9,4 bilhões em abril, aumento de 81% em relação ao mesmo período de 2019.  Ainda de acordo com a companhia, houve um aumento expressivo nas compras online, de 98%, em relação a abril do ano passado.

Com toda esta demanda, as empresas precisaram adaptar-se à situação e se reinventar junto à evolução do comportamento dos seus consumidores.

Utilização de plataformas que automatizem suas atividades, integração de processos e uso de ferramentas de analytics permitem o acompanhamento das tendências e a antecipação do comportamento do consumidor final.

Este cenário de transformação demonstra uma mudança cultural (estrutura, modelo de negócio e cultura interna) nas empresas, para que, desta forma, a adaptação digital ocorra com mais eficiência!

Neste artigo, conhecemos mais sobre o impacto da transformação digital em 5 setores e vimos como a pandemia de Covid-19 reforçou a necessidade de reinvenção nos processos de todos as áreas.

Gostou deste conteúdo? Acesse nosso site, conheça o Cronapp – plataforma de desenvolvimento ágil – e turbine seu negócio!

Até a próxima!

Categorias: Artigos

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *