Novas tecnologias surgem a todo momento e isso gera mudanças consideráveis nos modelos de negócios. É preciso se manter atualizado sobre as tendências de desenvolvimento de software e identificar como essas dinâmicas se aplicam à realidade da sua empresa. Nesse contexto, muitos inovadores discutem sobre o que é Kubernetes e quais são as suas melhores funcionalidades.

A melhoria contínua das infraestruturas digitais é uma demanda crescente no mercado. Explorar o funcionamento desses módulos de software pode gerar mais autonomia técnica para o seu negócio. Ficou interessado no assunto? Então, confira agora o que é Kubernetes, qual a sua relevância e como aplicá-lo na sua empresa.

O que é Kubernetes?

Kubernetes é um coordenador dos módulos, das funções e dos códigos-fonte dos contêineres de um software. Consiste em uma estrutura para controlar e orquestrar o funcionamento de todos os componentes de um sistema de informações. O Kubernetes também se chama K8S. Esse conjunto de clusters é uma tecnologia open-source que suporta as tecnologias de contêiner Rocket e Docker.

Vale relembrar que os clusters são o conjunto de várias máquinas com uma engine para contêineres. O Kubernetes realiza o gerenciamento de todos esses hosts e processa todas as requisições de dados. Para tanto, utiliza-se o Rocket ou o Docker para criar os módulos nos nós do cluster. Em suma, consiste em uma arquitetura de softwares para gestão, controle e monitoramento do status desses itens de configuração.

Qual é a história do Kubernetes?

O Kubernetes é uma ferramenta criada pelos engenheiros de software da Google, uma das empresas pioneiras no desenvolvimento de tecnologias para contêineres. Nesse caso, cabe destacar os serviços em contêiner Gmail e Google Docs. Uma estatística relevante: as implantações de contêineres atingem a ordem de 2 bilhões por semana na plataforma Borg. Esse sistema é o antecessor que serviu como molde para o desenvolvimento do Kubernetes.

Em 2015, o Kubernetes se tornou uma plataforma de código aberto doada para as instituições Linux Foundations e Cloud Native Computing Foundation. Uma curiosidade interessante: os sete raios do logo do Kubernetes se referem ao nome original Project Seven of Nine. Esse termo vem da palavra grega Kuvernetes que representa o comandante de um navio.

Você pode perceber que a história do Kubernetes é bem recente, mas gerou impactos relevantes no mercado de desenvolvimento de softwares. Entender sobre esses pontos nas entrelinhas é fundamental para criar rumos no seu negócio. Uma dica é assistir aos filmes sobre tecnologia para identificar ideias que também se aplicam à sua empresa. Agora, conheça mais detalhes sobre a estrutura do Kubernetes.

Como é a estrutura do Kubernetes?

A melhor forma de entender o funcionamento e a lógica do Kubernetes é por meio da prática. No início, esses termos, componentes e funcionalidades podem parecer confusos. Primeiro, é preciso entender a estrutura do cluster que contém os nós masters e workers também conhecidos como minions. O master é a máquina que controla todos nós do Kubernetes por meio da distribuição das tarefas. Vamos agora conhecer os componentes de serviços do Kubernetes.

ETCD

Trata-se de um banco de dados que guarda as informações sobre as chaves e valores do Kubernetes. Esse serviço armazena todos os dados de configuração e status do cluster. 

API Server

Consiste em um servidor de aplicações que fornece as API do Kubernetes por meio da tecnologia Jason. Os estados dos objetos desse applet ficam armazenados no ETCD e o kubectl usa o API Server para se comunicar com o cluster.

Controller Manager

Essa estrutura monitora todos os controladores de replicação do Kubernetes. Para tanto, o Controller Manager cria pods para manter os status necessários para o funcionamento dos contêineres das aplicações.

Workes

Esse é o nome para cada host de um cluster. Essas máquinas processam todas as requisições solicitadas e são conhecidas também como nós ou nodes.

Schebuler

Esse módulo executa todas as tarefas de agendamento no Kubernetes. A execução de contêineres nos minions se baseia nos status e na disponibilidade dos recursos e informações.

Kubectl

Trata-se de uma tela para linha de comando que se conecta ao servidor de API. Assim, os administradores da aplicação conseguem criar serviços, pods e deploys. Esse é um componente fundamental para o gerenciamento dos clusters do Kubernetes. 

Enfim, agora você já conhece um pouco mais sobre os componentes de serviços do Kubernetes. Confira os módulos e funcionalidades que rodam na estrutura dos minions.

Kubelet

Esse é o agente executado em cada um dos nós worker que se conecta ao Docker ou Rocket. O Kubelet realiza a criação, modificação, execução e exclusão dos contêineres.

Kube-proxy

O kube-proxy encaminha o tráfego para os contêineres com base nos endereçamentos dos IPs e nos números das portas da solicitação processada.

Pods

Consiste em um grupo de contêineres implantados em um único nó de trabalho. Trata-se da menor unidade do cluster Kubernetes. Esse contêiner pode rodar nginx, php e apache.

Replication Controller

Esse módulo mantém um número de pods para a execução dos serviços no cluster. O Replication Controller tem a sigla RC e garante os status dos componentes do Kubernetes.

Services

Os services atrelam as faixas de IP para um Replication Controller. Trata-se de um ponto de entrada para os serviços com execução via cluster.

Quais são as aplicações práticas do Kubernetes?

A ferramenta Kubernetes é bem versátil e pode rodar em diversas plataformas, como máquinas virtuais, notebooks e servidores bare metal. Essa aplicação funciona nos sistemas Unix: Centos, Ubuntu, Debian e Redhat.

Os clusters podem alcançar softwares nas nuvens públicas, privadas ou híbridas e funcionam em ambientes com vários contêineres e nós de larga escala. Essa plataforma de desenvolvimento de software é escalável e também suporta mais de um runtime de contêiner com funções para alta disponibilidade. Um case interessante sobre a aplicação da Realidade Aumentada com Kubernetes é o jogo Pokémon Go.

Essas são as principais informações que você precisa saber sobre o gerenciador de contêineres Kubernetes. Essa tecnologia garante mais agilidade, automatização e otimização de hardware na construção softwares personalizados para as demandas dos seus clientes.

Muito bem, agora você já conhece o que é Kubernetes, sua importância e como aplicá-lo na realidade da sua empresa. Gostou do artigo? Então, siga nosso perfil nas redes sociais e fique sempre por dentro das melhores novidades! Estamos no LinkedIn, YouTube e Facebook.

Categorias: Tecnologia

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *