Powered by Rock Convert

O processo de desenvolvimento iterativo e incremental é uma tendência que vem dominando o mercado de criação de softwares. Isso provavelmente se explica pela agilidade e flexibilidade que a metodologia traz para times e clientes.

Embora o modelo tradicional em cascata ofereça uma série de vantagens e atenda a diversos cenários, ele apresenta alguns pontos fracos por não se alinhar às urgências e constantes mudanças do mercado atual. Assim, para lidar com essas demandas e atingir melhores resultados em médio e longo prazo, é preciso buscar novas saídas.

Para ajudar você na escolha da melhor solução para o seu negócio, elaboramos este post com as principais informações sobre o método iterativo e incremental. Quer apostar na ferramenta certa? Então, continue a leitura do artigo!

O que é desenvolvimento iterativo e desenvolvimento incremental?

Como processo de desenvolvimento iterativo, podemos entender a atividade em que a criação de um software é realizada por meio de progressos sucessivos. Assim, é comum que o sistema seja apresentado ainda incompleto ou com algumas partes deficitárias. O objetivo é que o refinamento do produto aconteça por etapas até que o resultado pretendido seja alcançado.

Assim, o método iterativo é frequentemente comparado ao trabalho de um escultor: primeiramente, ele seleciona uma pedra do tamanho adequado para o seu trabalho; na sequência, ele começa a esculpir a peça de um modo geral, quando já é possível ter uma ideia de qual será o seu desfecho; na última etapa, ocorre o refinamento de detalhes, resultando em uma arte que cumpre com o seu propósito.

O desenvolvimento incremental, por outro lado, é aquele em que o software é entregue separadamente — ou seja, por pedaços, que são chamados de incrementos. Independentemente do tamanho desses subconjuntos, o fato que é que eles são entregues já na sua versão final. Assim, há uma concentração de esforços em determinadas partes até que elas estejam em pleno funcionamento.

Podemos dizer, ainda, que no desenvolvimento iterativo há uma repetição das etapas do processo de criação do software até que o resultado almejado seja obtido; já no desenvolvimento incremental, novas partes são integradas ao longo do período de construção.

Quais as características do desenvolvimento iterativo e incremental?

A criação de um processo de desenvolvimento iterativo e incremental está nas bases das metodologias ágeis, como a Scrum. A ideia é que a criação de um software seja pautada por vários ciclos curtos, em que funcionalidades são introduzidas, feedbacks coletados e requisitos revistos.

Assim, é possível atingir um maior nível de satisfação do cliente e garantir que o resultado final esteja dentro do esperado. Se no modelo em cascata a evolução é feita como um processo contínuo e sequenciado, no desenvolvimento iterativo e incremental, a empresa diminui tarefas e repete etapas sempre que for necessário.

Pretende-se, com isso, reduzir o número de falhas na solução entregue ao usuário, criando um ambiente de trabalho que seja mais prático e capaz de fazer mudanças em todas as etapas de desenvolvimento.

Quais as vantagens desse modelo?

A adoção de um processo de desenvolvimento iterativo e incremental pode trazer uma série de vantagens para o negócio — e elas vão além da melhora dos produtos entregues aos clientes.

A seguir, veja alguns dos benefícios desses modelos:

  • criação de um fluxo de entrega de softwares em que os requisitos são apresentados em pequenas partes funcionais;
  • maior capacidade de acompanhar a evolução do desenvolvimento da aplicação;
  • identificação precisa de erros e falhas durante a criação do sistema;
  • redução de riscos a cada etapa do projeto;
  • maior capacidade de modificar a direção de um projeto;
  • criação de soluções de software com maior valor agregado;
  • capacidade de otimizar a ferramenta continuamente;
  • escopo de software mais flexível;
  • mais agilidade e produtividade no dia a dia de cada time.

Todos esses fatores contribuem para que a empresa possa atuar com mais agilidade e segurança. O negócio poderá solucionar demandas de clientes, eliminar falhas e diminuir as chances da solução final não entregar uma experiência de usuário de qualidade. Assim, o nível de sucesso de cada sistema será muito maior.

Como adotar o desenvolvimento iterativo e incremental no dia a dia da empresa?

A criação de uma rotina de desenvolvimento baseada em processos iterativos e incrementais pode envolver a mudança completa das rotinas de criação de software da companhia. Os profissionais passarão a ter uma rotina mais flexível e ágil.

Portanto, o gestor deve estar pronto para dar o apoio para os times de desenvolvimento e garantir que a mudança ocorra da forma mais simples possível. Com um bom planejamento, torna-se mais fácil avaliar a melhor forma de modificar as suas rotinas para atuar com processos de desenvolvimento mais inteligentes e ágeis.

A seguir, entenda como isso pode ser feito em 4 passos:

1. Aponte as principais funcionalidades do sistema sem detalhá-las

A primeira questão a ser avaliada em um programa de desenvolvimento de softwares é ter uma visão bem definida sobre onde se pretende chegar; é importante ter essa visão antes mesmo de iniciar o estágio de planejamento.

Isso porque, quando esse tipo de informação está bem clara, torna-se mais fácil identificar o melhor caminho a seguir, bem como dividir o processo em iterações. Afinal, os feedbacks coletados dos clientes podem trazer mudanças significativas ao planejamento.

2. Defina corretamente as suas prioridades e complexidades

Um ponto-chave para saber como criar um processo de desenvolvimento que seja incremental e iterativo é definir corretamente as prioridades. Isso permite ao time de programadores planejar com mais precisão e evitar uma série de dificuldades ao criar o software.

Trabalhe com o usuário ou cliente para verificar quais são as funcionalidades críticas do software, o que deve ser entregue com mais antecedência e demais fatores de alto nível de importância. Classifique todos os requisitos conforme a sua prioridade e defina datas para a entrega de todos.

Também esteja pronto para modificar a prioridade de um item sempre que for necessário. O ambiente de desenvolvimento atual é ágil e muda constantemente, exigindo que negócios saibam se adaptar com facilidade. Quem não souber trabalhar dentro dessa realidade pode perder a capacidade de inovar e, consequentemente, de competir.

3. Distribua as funcionalidades em grupos de entrega

Para que as prioridades do projeto de desenvolvimento sejam bem executadas, a empresa precisa manter uma boa política de gestão de times. Parte disso é feito quebrando as tarefas em rotinas menores e, assim, garantindo que a entrega seja feita de uma forma mais eficaz.

Em um ambiente de metodologias ágeis, isso é feito a partir de sprints. A sprint é um pequeno ciclo de desenvolvimento em que um conjunto de requisitos é implementado, revisado e otimizado. Isso permite ao gestor ter um acompanhamento mais preciso sobre cada etapa da criação do software, as suas nuances e problemas.

As sprints têm uma duração que varia conforme as necessidades e o perfil do projeto de desenvolvimento do negócio. Fatores como prioridades ou o nível de complexidade dos objetivos impactam diretamente no tamanho de cada etapa. Portanto, sempre determine o tempo de uma sprint de acordo com o projeto.

4. Elabore um planejamento de entregas

A criação de uma rotina de desenvolvimento iterativo e incremental é um ponto chave para atingir o sucesso na criação de suas soluções. Quando se trabalha no regime de iteração, por exemplo, é preciso estabelecer um cronograma para cada estágio.

Nesse contexto, ainda deve-se levar em conta um período de intervalo entre cada iteração, tendo em vista que pode haver a demanda de criação de interfaces de comunicação entre elas.

Outro passo importante é fazer a linkagem das alterações com as versões do software — trata-se de um procedimento de segurança para o caso de haver algum problema. Isso permitirá o mapeamento do que foi alterado e o resgate da versão que estava funcionando anteriormente.

A entrega do software para o usuário ou cliente é um ponto chave do processo de desenvolvimento de softwares. É nessa hora que a companhia avaliará o que ainda é necessário otimizar, seja por meio de feedbacks diretos ou relatórios de erros.

Portanto, tenha um fluxo de entregas contínuo e bem estruturado. Todos os times devem saber o momento correto de entregar as suas demandas e ter feedbacks claros para definir as próximas etapas da criação do sistema. Assim, é possível garantir que os resultados esperados sejam atingidos com uma rotina de trabalho integrada e ágil.

O modelo de desenvolvimento iterativo e incremental é uma excelente forma de executar projetos de softwares, especialmente com a velocidade que as mudanças acontecem no mercado atual. A sua capacidade de personalização quando o processo já está em andamento também é um ponto forte, pois permite que o negócio aplique as medidas corretas.

Ademais, também é preciso ressaltar o benefício de se criar ferramentas em um prazo menor e direcionar o foco para as demandas da empresa e dos usuários.

Gostou do artigo? Esperamos que tenha ficado claro que o processo de criação de um software pode ser feito de diferentes maneiras, e que a opção por cada uma delas pode ser fundamental para os seus objetivos. Para continuar aprimorando seus conhecimentos, aproveite para seguir os nossos perfis nas redes sociais: estamos no Facebook, LinkedIn, YouTube.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *